MUVI - Museu Virtual de Artes Plásticas
Claudia Bakker
Museu do Açude
1994/1995 - 1996
Outros trabalhos de
Claudia Bakker

Folder digital
(clique na imagem)

Outros artistas no MUVI

 

"O Jardim do Éden e o Sangue da Górgona"
Instalação/ Museu do Açude/RJ
Registro da Instalação: Claudia Bakker

 

"A Via Láctea" Instalação com 3.000 litros de tinta branca
Museu do Açude
Rio de janeiro-1996
Registro da Instalação de Wilton Montenegro


Maçãs de Claudia Bakker morrem para reafirmar a vida

O artista americano Robert Smithson(1938-1973)disse certa vez que via suas intervenções na natureza (land works) como um esforço para devolver a "Montanha Sainte-Victoire"a Cézanne. Guardada as devidas proporções, diria que Claudia Bakker vem, já há algum tempo, tentando o mesmo em relação as maçãs.Depois de Cézanne, as maçãs nunca mais foram as mesmas. As centenas de maçãs pintadas pelo grande mestre francês criaram e revelaram oque parecia impossível:a maçã numa migração da natureza para a pintura. Basta olhar para crer.

A exposição de Claudia Bakker na Galeria do Museu da república,intitulada "Foto-textos", dá continuidade a trabalhos anteriores realizados no Museu do Açude e na Funarte. A questão é sempre a mesma as maçãs e o tempo.
Seja através das fotos e do texto(utilizados na exposição), ou do vídeo e da instalação(em outras ocasiões),oque está em jogo são os modos de permanência que as coisas (a maçã e a arte) têm,expostos a consumação do tempo.

A maçã, como metáfora da arte e da vida, só existe pela morte. O paradoxo é este:sem morte não a vida.

Suas fotos misturam os tempos, ou melhor, elas querem ser tempo:da escrita,da arte, da fruta e do feminino. Todos os tempos num só,que parece retornar sempre novo. A maçã como natureza e como cultura. Se na recente exposição da Funarte-em que um grande mapa do Brasil estava desenhado no chão com maçãs,que apodreceram-interessou-lhe o tempo das coisas nelas mesmas, nestas fotos ela privilegia as múltiplas apropriações criadas pelas representações culturais.

Seria interessante se as duas exposições estivessem mais perto,criando um campo de oposição e complementaridade. Por outro lado,a sensação de vazio desta exposição contribui para as referências simbólicas se revelarem para o espectador.
As "Fototextos" de Claudia Bakker,são, antes de tudo silenciosas, não obstante as múltiplas indicações de significado. A arte contemporânea, enquanto processo e crise, trabalha nesse território abismal e milimétrico entre o silêncio e o sentido, revelando, que no fundo, tudo é tempo e linguagem

Luiz Camillo Osório / Jornal O Globo 1998

Artistas participantes do projeto MUVI
Incisões - Gravadores Contemporâneos do Paraná Textos e entrevistas Saiba mais sobre a história das artes plásticas no Brasil Saiba mais sobre o MUVI Links Recomendados mande um mail para o MUVI
Clique nas imagens para ampliar
Design da página: Fábio Channe
PARCERIAS:
Projeto POLVO Projeto de Extensão Artista na Universidade Teatro Monótono Projeto Heterodoxia Projeto para a Construçao de um Desenho  -  Marlon de Azambuja
 
 
É expressamente proibida a reprodução do conteúdo desta página sem a autorização do artista ou da Coordenadoria do MUVI
Todo o material (fotos e textos) que forma o conteúdo deste site foi fornecido pelos artistas focados,
sendo que a Coordenadoria do MUVI não se responsabiliza pelo mesmo.
© MUVI 2006